História
  • Jaguarão, Rio Grande do Sul, Brasil

     

    O município de Jaguarão situa-se no extremo meridional do Brasil, na fronteira com a República Oriental do Uruguay.

    A cidade é reconhecida nacionalmente por seus sítios arquitetônicos, que constituem um acervo considerado sem similar em número e estado de conservação no Rio Grande do Sul. Percebe-se o destaque, neste cenário, para os refinados casarões elaborados nos últimos decênios do século XIX e princípios do século XX, período que demarca a fase áurea da construção civil local.

    Nome de Origem

    A denominação de Jaguarão se deu em função do rio homônimo, que cruza a zona fronteiriça, onde foi erguido o município. O rio Jaguarão nasce próximo à cidade gaúcha de Bagé e deságua em território uruguaio, na Lagoa Mirim.

    Diferentes explicações são atribuídas à origem do termo, que está registrado em documentos de natureza diversa, desde os anos primeiros da ocupação luso-espanhola nestas paragens. Uma possível gênese indica o aumentativo português de uma palavra derivada da língua tupi, que significa onça, em alusão ao animal felídeo que era encontrado, com exceção da região andina, em todo o continente americano, desde o sudeste dos Estados Unidos da América.

    A versão mais corrente, ancoura-se, porém, em uma lenda indígena. JAGUA-RU era como chamavam, guaranis pampianos, a um monstruoso animal, que tinha corpo de lobo marinho e cabeça e patas armadas de garras de tigre, com o porte aproximado de um cervo ou cavalo pequeno. O terrível ser fazia escavações em barrancas, perto das margens onde os índios trabalhavam, e provocava o desmoronamento das terras, fazendo com que pessoas ou animais que se aproximassem do local fossem lançados às águas e se tornassem suas presas. Ao atacar, arrastava os corpos e extraía apenas os pulmões das vítimas, jogando o que restasse novamente no rio.

    Resistindo a todas investidas e armadilhas criadas para a sua captura, o Jagua-ru permanece circunscrito, até os dias de hoje, no imaginário popular.

    Data de fundação

         Jaguarão foi erigida a partir de um acampamento militar, demarcando o expansionismo dos povoadores portugueses ao sul do novo mundo.

    O território onde a cidade se encontra era pertencente, inicialmente, segundo o Tratado de Santo Ildefonso, celebrado no ano 1777, à Coroa Espanhola. Uma tropa comandada pelo Cel. Manoel Marques de Souza, em 1801, logrou arrastar a raia lusitana, estabelecendo combates contra os espanhóis.

    Acampados em local de difícil acesso, com dificuldades para o abastecimento e fixação, os soldados dirigiram-se, no início do ano seguinte, em busca de aproximação para com uma via navegável que possibilitasse o contato com Rio Grande. Este foi um fator determinante para a escolha do lugar em que se iniciou a povoação que deu origem ao município jaguarense.

    Compunham a chamada Guarda do Serrito e da Lagoa, em média aproximativa, 260 homens. Aos poucos, foram se estabelecendo equilíbrio entre as partes e relações amistosas para com os espanhóis situados na margem oposta. Tratava-se da fase limiar de duas campanhas divididas pela corrente de águas.

    Na Guarda do Serrito, em 1802, foi erigida a primeira “Casa da Residência”, com o intuito de abrigar os comandantes locais. Além de transações econômicas incipientes esboçava-se, também, o princípio de atividades religiosas

     

    Freguesia

           O comando da Fronteira de Rio Grande, em um primeiro momento, estabeleceu e impôs certas restrições no tocante à formação regular do embrionário povoado, entretanto, em 1811, são percebidas concessões de terrenos urbanos na guarda e uma resolução régia, de 1812, criou a Freguesia do Espírito Santo de Jaguarão.

    Com a primeira planta, datada de 1815, e o esboço das primeiras vias de circulação, percebe-se um aumento na distribuição de terrenos, voltados para moradias, cultivo agrícola e criação de animais, comércios e a presença de um significativo espaço militar.

     

    Instalação do município

           Em 1832 foi instituído por ato regencial, em nome de Dom Pedro II, o município de Jaguarão e instalado no ano seguinte, com a formação da Câmara de vereadores.

    Em 1855, Jaguarão foi elevada à cidade.  Em 1865 a fronteira foi invadida por cerca de 1500 orientais “blancos”, a mando da intervenção do General uruguaio Basílio Muñoz. Embora em número reduzido, as forças jaguarenses compostas por cerca de 500 praças, com o auxílio de canhões, resistiram fazendo com que os uruguaios se retirassem.

EVENTOS
MARÇO 28

Qual vai ser?

O SICRED, em parceria com a Secretaria de

SABER MAIS